Logo
Disfunção Sexual
Infertilidade Masculina Atendimento: +55 41 3074-7497
+55 41 9974-7497

Tratamentos


O ANDROCENTER é uma instituição que tem como foco o tratamento de patologias que afetam os órgãos genitais masculinos, envolvendo a área sexual e reprodutiva. São nossas especialidades:



Andropausa


Alguns homens, com o avançar da idade, experimentam sintomas de declínio da produção de testosterona. Estão entre esses sintomas: fraqueza e fadiga muscular, alterações da qualidade do sono, alterações da libido (desejo sexual), disfunção erétil e redução das ereções matinais. Quando são acompanhados de redução dos níveis laboratoriais de testosterona, os pacientes podem se beneficiar da reposição hormonal.


Fonte
Andropausa 01 Andropausa 02 Andropausa 03 Andropausa 04


Cistos escrotais


Cistos escrotais são coleções de gordura ou líquido que podem ocorrer na pele do escroto (bolsa do testículo) ou no interior do testículo e cordão espermático. De modo geral, não necessitam de tratamento específico, exceto quando se tornam grandes ou sintomáticos. É de fundamental importância que qualquer aumento de volume do testículo ou escroto seja investigado, para se afastar a ocorrência de neoplasias.




Condilomas genitais


O condiloma genital (verruga venérea) é a manifestação cutânea do desenvolvimento do vírus do HPV. O vírus do HPV (Human Papiloma Vírus), quando infecta a pele genital, pode ocasionar a formação de condilomas (popularmente chamados de ``cristas de galo´´), ou então levar ao surgimento de tumores malignos. Essas lesões demandam cuidados específicos e são consideradas doenças sexualmente transmissíveis.

Em alguns casos as lesões do HPV são subclínicas (não aparentes a olho nu). Nessas situações um exame chamado genitoscopia (peniscopia) que é realizado com uma solução química especial associada à magnificação óptica (uso de lupa de aumento) pode diagnosticar a doença.




Curvaturas penianas (Doença de Peyronie e Curvatura Peniana Congênita)


Patologias que cursam com a fibrose da túnica peniana Albugínea (capa fibrosa que cobre o tecido erétil do pênis) ou com alteração desde o nascimento (congênita) e que durante a ereção, manifestam-se com a curvatura do pênis. Esta, quando afeta a relação sexual demanda tratamento específico. Dependendo da causa e da fase em que a doença se encontra, o tratamento pode variar desde a ingestão de medicações até a necessidade de cirurgia corretiva.




Disfunção erétil - D.E. (Impotência sexual)


A D.E. é caracterizada pela dificuldade ou impossibilidade de rigidez peniana, suficiente para iniciar ou concluir uma relação sexual. Dependendo da idade e de possíveis doenças associadas, essa patologia pode ter origem orgânica (do corpo) ou psicogênica (da mente). A D.E. pode ser também a primeira manifestação de doenças crônicas com diabetes melitus, hipertensão arterial sistêmica, doenças da tireóide, entre outras.


Disfunção erétil 01 Disfunção erétil 02 Disfunção erétil 03 Disfunção erétil 04


Dor testicular crônica


É a ocorrência de dor no testículo com mais de 15 dias de evolução. Pode ser sintoma de muitas patologias, as quais devem ser investigadas pelo andrologista para se afastar doenças graves.



Ejaculação precoce - EP


Consiste na inabilidade do paciente em conseguir controlar a ejaculação e o orgasmo (o prazer) até o momento desejado. Existem diversas definições da doença, variando de classificações com relação ao tempo, entre o início da relação e a ejaculação, ou então quanto à insatisfação do casal. Essa patologia possui tratamento tanto farmacológico (com medicações) como psicoterápico (com psicologia sexual). É fundamental que a EP tenha acompanhamento tanto pelo andrologista quanto pelo psicólogo especialista em terapia sexual, para que se alcance a cura da patologia.


Ejaculação precoce 03 Ejaculação precoce 04


Ejaculação tardia (ejaculação retardada)


É a incapacidade do paciente em conseguir obter o orgasmo e a ejaculação no tempo desejado, demorando em demasia ou, em alguns casos, não conseguindo obtê-la. Essa patologia frequentemente causa constrangimento para o paciente e desconforto ou dor para a parceira. Também é fundamental o acompanhamento e correta avaliação por parte do andrologista e pelo terapeuta sexual, para que se faça o tratamento adequado.



Fimose


A fimose é caracterizada pela alteração da ponta do prepúcio (pele que cobre a ponta do pênis) que dificulta a exposição da glande (cabeça do pênis) causando dificuldades para a realização da higiene pessoal ou então prejudicando a relação sexual. A fimose não tratada pode trazer problemas potencialmente graves, como a inflamação crônica genital, estenose de uretra (estreitamento da saída da urina), infecções fúngicas e bacterianas de repetição, aumento da chance de contágio pelo HPV e HIV, além do aumento da incidência ou retardo no diagnóstico de um câncer no pênis. É uma patologia frequentemente negligenciada, cujo tratamento é bastante simples.




Freio bálano-prepucial curto


O freio bálano-prepucial é um resquício embriológico da formação do pênis. Em muitos casos não causa problema algum. Uma pequena porcentagem de pacientes experimenta desconforto ou rupturas de repetição do freio durante as relações sexuais, provocando sangramento e bastante dor local. Essa condição tem uma solução bastante simples, com um pequeno procedimento cirúrgico.



Hidrocele


É o acúmulo de líquido seroso entre as fáscias parietal e visceral da túnica vaginal testicular. Quando é de pequena monta não causa problemas significativos. Em estágios avançados pode causar grandes aumentos de tamanho e desconforto local, o que dificulta a acomodação do genital dentro das roupas ou, até mesmo, dificultando a relação sexual. Em casos selecionados, pode estar associada com patologias graves, como os cânceres de testículo, devendo o andrologista fazer uma avaliação minuciosa dessa condição.




Infertilidade Masculina


A infertilidade caracteriza-se pela impossibilidade do casal em obter uma gestação ao final de doze meses de relações sexuais desprotegidas de métodos anticoncepcionais. Cinquenta por cento das vezes o homem contribui nessa alteração. É muito importante que o andrologista avalie e acompanhe o tratamento do casal infértil para que o problema tenha uma solução adequada.


Infertilidade Masculina 01 Infertilidade Masculina 02 Infertilidade Masculina 03 Infertilidade Masculina 03


Planejamento familiar masculino (Vasectomia)


Com a evolução da sociedade moderna, tornou-se bastante importante o planejamento da quantidade de filhos. Dentre os métodos de anticoncepção definitivos destaca-se a vasectomia. A vasectomia é uma pequena cirurgia realizada no homem em que, sob anestesia local e de modo indolor, é seccionado, suturado e cauterizado o ducto deferente do cordão espermático. Este ducto é por onde passam os espermatozoides do testículo em direção à próstata, para serem ejaculados na relação sexual. É uma cirurgia muito mais simples que a laqueadura realizada na mulher, e não altera a função sexual. O homem continua a ter desejo sexual, vigor físico e ejaculação. Apenas altera o conteúdo do ejaculado (sêmen), deixando de apresentar espermatozoides. Existem alguns pré-requisitos necessários para a realização desse procedimento, os quais devem ser discutidos em conjunto com o seu urologista / andrologista.


Próteses Penianas 01 Próteses Penianas 02


Próteses Penianas


Em casos de disfunção erétil de origem orgânica em fases avançadas, o emprego de próteses penianas pode representar a única solução. O tratamento é baseado no implante cirúrgico de dispositivos mecânicos no interior dos corpos cavernosos penianos. Esses dispositivos, quando acionados, proporcionarão uma ereção artificial que propiciará o intercurso sexual. Existem diversos tipos de próteses penianas, com diferentes mecanismos de ação, e com bastante variação de custos umas das outras. Entretanto, para o implante desses dispositivos, faz-se necessária uma cuidadosa investigação da disfunção erétil, e a individualização de cada situação, com o intuito de indicação e escolha da prótese mais adequada para cada paciente.


Próteses Penianas 01 Próteses Penianas 02 Próteses Penianas 03


Reabililitação peniana pós prostatectomia


Os pacientes que são submetidos ao tratamento do câncer de próstata, seja por extirpação da próstata (Prostatectomia Radical), seja por radioterapia (Radioterapia Externa ou Braquiterapia), frequentemente experimentam condições graves de impotência sexual. Atualmente, existem diversos procedimentos e medicações que podem ser empregados nesses pacientes, com o objetivo de reabilitar e melhorar a função erétil, em seus diversos níveis.


Reversão de vasectomia


Com a popularização da vasectomia como método anticoncepcional e consequentemente com a grande quantidade de pacientes vasectomizados também aumentou a procura de pacientes pela reversão da vasectomia. Por diversos motivos, alguns pacientes submetidos à vasectomia decidem ter mais filhos, seja por uma nova união conjugal, seja por perda de um dos filhos ou simplesmente pelo desejo de se ter mais um filho. Apesar de ser considerada um método anticoncepcional definitivo, a vasectomia é passível de reversão.

A reversão da vasectomia é uma cirurgia bastante delicada e deve ser realizada pelo profissional andrologista treinado e capacitado. Para aumentar as chances de sucesso, esse procedimento deve ser realizado com o auxílio de magnificação óptica, ou seja, realizado com um microscópio cirúrgico. O fio utilizado na cirurgia é tão fino que quase não se consegue visualizá-lo a olho nu, o que justifica a utilização de tal aparelhagem.

É importante ressaltar que a reversão da vasectomia é um procedimento primordial frente à reprodução assistida. Após a realização da retirada de espermatozoides diretamente dos epidídimos para reprodução assistida (punção do epidídimo), a reversão da vasectomia raramente tem êxito. Inúmeros estudos indicam que o custo-benefício da reversão da vasectomia é mais vantajoso que o da reprodução assistida com injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI).


reversao 01


Varicocele


A varicocele é definida como a dilatação venosa das veias gonadais testiculares para dentro da bolsa escrotal. É causada pela incompetência das válvulas dessas veias, causando refluxo de sangue venoso para os testículos. É mais frequente no testículo esquerdo e pode estar relacionada com dor testicular e infertilidade. A sua correção pode levar a melhora da quantidade e qualidade dos espermatozoides produzidos e da dor testicular nos casos mais graves.